Breves

Até 13 de dezembro participe na Exposição de Pais Natais!


 

Consulte as atividades do PAA previstas para o mês de dezembro.


 

Já pode consultar as ementas semanais do refeitório escolar, para o mês de dezembro.


 

De 2 a 16 de dezembro está a decorrer a Feira do Livro, na Biblioteca Escolar do Agrupamento de Escolas de Amareleja.


 

A comemoração do Dia Nacional da Cultura Científica irá decorrer durante a semana de 25 a 29 de novembro.


 

Os alunos da turma PIEF2 contaram a história “Uma Aventura na Terra dos Direitos” aos meninos do 1.º ciclo da escola de Amareleja, com o objetivo de celebrar o 30.º aniversário da Convenção dos Direitos da Criança.


 

Recursos





 

Visitantes

638648
HojeHoje151
OntemOntem351
SemanaSemana852
MêsMês3376
Desde 1/9/2010Desde 1/9/2010638648
Obs. Qualidade >> Quem somos

Observatório da Qualidade para quê?

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de refletir criticamente sobre si própria com a finalidade de melhorar o seu desempenho.

De acordo com o que está previsto na legislação, a autoavaliação tem caráter obrigatório, desenvolve-se em permanência e visa avaliar:

a) o grau de concretização e o desenvolvimento do projeto educativo do agrupamento;

b) preparação e concretização da educação, do ensino e das aprendizagens;

c) o nível de execução de atividades proporcionadoras de climas e ambientes educativos que conduzam ao desenvolvimento integral da personalidade do aluno;

d) o desempenho dos órgãos de administração e gestão do agrupamento de escolas;

e) o sucesso escolar, avaliado através da capacidade de promoção da frequência escolar e dos resultados do desenvolvimento das aprendizagens escolares dos alunos;

f) a prática de uma cultura de colaboração entre os membros da comunidade educativa.

(adaptado de Lei n.º 31/2002, de 20 de Dezembro)


O Observatório da Qualidade existe com a finalidade de desenvolver o processo de autoavaliação da Escola tendo sempre como orientação a avaliação da organização e não das pessoas.


“A Avaliação reflete a realidade das escolas e permite que os protagonistas se vejam com clareza e rigor (…) Não compete ao avaliador dizer aos protagonistas se estão a fazer bem ou mal. Muito menos aquilo que deve ser mudado. Simplesmente os ajudam a olhar-se com clareza, de modo a poderem formar um juízo mais fiel sobre o que fazem. Desse Juízo, dessa compreensão hão-de surgir as decisões de mudança.”

(Santos Guerra, 2001)